Jesus é o próprio Deus? Entenda agora!

Como assim, Jesus é o próprio Deus? Se pegarmos todas as afirmações de Jesus sobre quem ele era, logo podemos desfazer a ideia de que ele era apenas um bom homem ou um profeta que disse muitas coisas profundas. O próprio Jesus confirmou sua natureza divina, fazendo milagres e afirmando em diversas ocasiões que sua essência é a mesma de Deus, o Pai. 

Para os judeus, Jesus é um líder moral e um homem bom. Para os mulçumanos, Cristo foi um profeta. Até porque, suas palavras o colocam acima de um homem moral ou de um profeta, pois ele apontava para si mesmo a salvação da humanidade. Porém, das duas uma: ou Jesus é o próprio Deus e de fato o que ele pregou e viveu faz total sentido, ou ele era um louco

Mas há um outro questionamento que quero responder aqui para você. Alguns religiosos afirmam que Jesus era, na verdade, filho de Deus, mas não compartilhava com o Pai sua natureza divina. Será? Venha comigo e vamos entender essa questão.

Analisando a afirmação que Jesus é o próprio Deus

C. S Lewis, que foi professor na Universidade de Cambridge e autor de vários livros por muitos anos foi um agnóstico. Ele fez uma afirmação muito profunda sobre a pessoa de Jesus no livro Cristianismo Puro e Simples:

Estou tentando evitar que alguém diga a coisa realmente tola que as pessoas costumam dizer sobre Ele: ‘Estou pronto para aceitar Jesus como um grande mestre de moral, mas não aceito Sua afirmação de ser Deus.’ Essa é a única coisa que não devemos dizer. Um homem que fosse apenas um homem e dissesse o tipo de coisas que Jesus disse não seria um grande professor de moral. Ele seria um lunático – no mesmo nível do homem que diz que ele é um ovo escalfado – ou então ele seria o Diabo do Inferno. Você deve fazer sua escolha. Ou este homem era, e é, filho de Deus: ou então um louco ou algo pior.

Então Lewis acrescenta: “Você pode calá-lo como um tolo, pode cuspir nele e matá-lo como um demônio; ou você pode cair a Seus pés e chamá-lo de Senhor e Deus. Mas não vamos inventar nenhuma bobagem paternalista sobre Ele ser um grande professor humano. Ele não deixou isto aberto para nós. Ele não pretendia. ”

Em resumo, Jesus afirmou ser o próprio Deus. Ele não deixou nenhuma outra opção aberta. Sua afirmação deve ser verdadeira ou falsa, portanto, é algo que deve ser considerado seriamente.

A pergunta de Jesus aos discípulos: “Mas quem vocês dizem que eu sou?” (Mateus 16:15) tem várias alternativas.

Primeiro, suponha que Sua afirmação de ser Deus fosse falsa. Sendo inverdade, então temos apenas duas alternativas. Ele sabia que era falso ou ele praticava o autoengano.

Vamos considerar cada um separadamente e examinar as evidências.

Jesus pode ser considerado um mentiroso?

Se, quando Jesus fez suas reivindicações, Ele sabia que não era Deus, então Ele estava mentindo e deliberadamente enganando Seus seguidores. Mas se Ele era um mentiroso, então também era um hipócrita porque disse aos outros para serem honestos, custe o que custar, enquanto Ele próprio ensinava e vivia uma mentira colossal.

Por último, Ele também seria um tolo porque foi Sua afirmação de ser Deus que o levou à crucificação. Veja: Respondeu Jesus: “Eu lhes afirmo que antes de Abraão nascer, Eu Sou! Então eles apanharam pedras para apedrejá-lo, mas Jesus escondeu-se e saiu do templo” (João 8:57-59). 

Muitos dirão que Jesus foi um homem bom que ensinava princípios morais. Sim, ele foi, mas muito além disso. Vamos ser realistas. Como Ele poderia ser um grande mestre do “bom comportamento” e conscientemente enganar as pessoas no ponto mais importante de seu ensino? Você teria que concluir logicamente que Ele era um mentiroso deliberado.

Essa visão de Jesus, entretanto, não coincide com o que sabemos Dele ou com os resultados de Sua vida e ensinamentos. Onde quer que Jesus tenha sido proclamado, vidas foram transformadas pela mensagem de Jesus.

Alguém que viveu como Jesus viveu, ensinou como Jesus ensinou e morreu como Jesus morreu não poderia ser um mentiroso. A verdade estava nele. Por isso ele tinha tanta credibilidade onde Ele passava.

Ele era um louco que enganou a si mesmo?

Se é inconcebível que Jesus seja um mentiroso, então ele não poderia realmente ter pensado que era Deus, mas se enganou? Na verdade, é possível alguém ser sincero e estar errado.

Pense comigo. Jesus em várias situações falou aos quatro cantos que para as pessoas serem salvas, elas deveriam crer nele. A cultura judaica é essencialmente monoteísta. Por isso, se Jesus não era Deus, ele então seria um louco.

Alguém que acredita que é Deus soa como alguém que hoje acredita ser Napoleão. Ele se iludiria e se enganaria e provavelmente seria preso para não machucar a si mesmo ou a qualquer outra pessoa.

Ainda assim, em Jesus não observamos as anormalidades e desequilíbrios que geralmente acompanham a loucura. Sua postura e compostura certamente seriam incríveis se Ele fosse louco. Pelo contrário, Jesus atraia multidões por sua palavra de esperança. Até mesmo seus inimigos admiravam Jesus pelo seu ensino e autoridade.

À luz das outras coisas que sabemos sobre Jesus, é difícil imaginar que Ele fosse mentalmente perturbado. Aqui está um homem que proferiu algumas das palavras mais profundas já registradas. Suas instruções libertaram muitos indivíduos da escravidão mental.

Sim, Jesus é Deus, Ele é o nosso Senhor!

Jesus é o próprio Deus? Entenda agora!

Não posso concluir pessoalmente que Jesus era um mentiroso ou lunático. Seria insanidade da minha parte. A única outra alternativa é que Ele era o Cristo, o Filho de Deus, como afirmava. Sua vida e suas palavras de vida ecoam pelos séculos, fazendo diferença até mesmo nos dias de hoje. 

Porém, ou Jesus é o próprio Deus ou ele é um mentiroso ou louco. Quando fazemos uma comparação entre as 3, logo percebemos que as duas opções – mentira e loucura – são absurdas. Ou seja, a opção de Jesus ser Deus e Senhor é claramente a mais provável.

Quem você decide que Jesus Cristo é não deve ser um exercício intelectual inútil. Você não pode colocá-lo na prateleira como um grande professor de moral. Essa não é uma opção válida. Ele é um mentiroso, um lunático ou Senhor e Deus. Você deve fazer uma escolha.

“Mas”, como escreveu o apóstolo João, “isto foi escrito para que você acredite que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus; e ”- mais importante -“ para que acreditando que você tenha vida em Seu nome” (João 20:31).

A evidência é claramente a favor de Jesus como Senhor. Algumas pessoas, entretanto, rejeitam essa evidência clara por causa das implicações morais envolvidas. Eles não querem enfrentar a responsabilidade ou implicações de chamá-lo de Senhor.

Se você – como eu – crê que Jesus é o próprio Deus, também só te resta uma coisa: render-se totalmente a Ele. Vem comigo? Se gostou do texto, compartilhe com alguém! Vamos espalhar a mensagem do reino de Deus para todos!

3 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *